Uniprime Central
Internet Banking
Informações e Novidades

Alta no PIB: 'locomotiva da construção começou a andar', diz representante do setor

Após 20 trimestres consecutivos de queda, construção subiu 2% na comparação com igual trimestre do ano anterior 

O crescimento de 0,4% da economia brasileira no segundo trimestre de 2019 em relação aos primeiros três meses do ano afastou a possibilidade de recessão técnica - que acontece quando há dois trimestres seguidos de queda no nível de atividade.

O desempenho da construção civil no período foi um dos pontos que chamaram atenção: depois de 20 trimestres consecutivos de queda, a construção subiu 2% na comparação com igual trimestre do ano anterior.

O que puxou o resultado positivo do setor, segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), foi o mercado imobiliário - e não as obras de infraestrutura - nas regiões Sudeste e Centro-Oeste. 

"Esse número da construção veio devido ao mercado imobiliário, porque as áreas de infraestrutura e de obras industriais e corporativas continuam fracas", disse o presidente da CBIC, José Carlos Martins. "E a recuperação veio em Estados que dependem menos de verba do governo, no Sudeste e Centro-Oeste."

Dados da CBIC mostram que a venda de unidades residenciais no Sudeste subiu 33,5% no segundo trimestre de 2019, em comparação com igual período do ano anterior. No Centro-Oeste, a alta foi de 22%. O Nordeste, por outro lado, apresentou queda de 17%. 

"A locomotiva da construção começou a andar. Começou com o mercado imobiliário, vai andar e vai puxar o resto da economia", disse Martins, que defende que o setor é "o freio ou o acelerador da economia".

Questionado sobre a base de comparação baixa do ano passado, quando a greve dos caminhoneiros, em maio, afetou toda a economia brasileira, Martins disse que acredita que há uma demanda reprimida por moradias. 

"Tem uma demanda reprimida muito grande, os financiamentos caíram nos últimos anos. Mas chega uma hora que não tem mais jeito, tem que sair da casa do pai, separou e vai sair da casa do cônjuge. Tem um mínimo sinal e a pessoa vai."

A CBIC diz que "o cenário com juros baixos, inflação dentro da meta, o avanço da reforma da Previdência, as expectativas com a reforma tributária e as novas condições de crédito imobiliário contribuem para fortalecer a construção nos próximos meses."

2019 pior que o esperado 

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, comemorou o resultado no Twitter: "Os dados de crescimento do PIB no 2º trimestre foram acima do previsto pelo mercado (esperavam 0,2%, crescemos o dobro: 0,4%). Setor animado, investidor mais otimista, bom estímulo na atração de recursos para nossos projetos", escreveu.

Embora o governo tenha comemorado o PIB do segundo trimestre, depois de um resultado negativo nos primeiros três meses do ano, 2019 será pior do que o esperado inicialmente. 

Tanto o mercado financeiro quanto o governo reduziram, durante este ano, as previsões para o resultado acumulado. A expectativa do governo brasileiro é de uma alta de 0,8%. Esse é o mesmo patamar hoje esperado pelo mercado financeiro, que começou o ano com uma previsão acima dos 2%, segundo o Relatório Focus do Banco Central.

O desempenho previsto para a economia brasileira em 2019 está bem abaixo dos mais de 4% de crescimento previstos para os países emergentes pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) – puxado principalmente pelos países asiáticos. Ao mesmo tempo, está em linha com o 0,6% de crescimento que se espera para a América Latina neste ano.

Em um relatório sobre o primeiro semestre do ano, o FMI destacou que houve uma queda "notável" na atividade econômica de países da América Latina. Entre os principais motivos, está o Brasil, onde, segundo a avaliação da instituição, a confiança se enfraqueceu devido à incerteza sobre a aprovação de reformas.

Fonte: BBC Brasil

Voltar